A Revolução dos 50+

0
327

Indo no embalo do lançamento do livro “Revolução 50+”, que aconteceu em 9 de abril e do qual sou um dos coautores, gostaria de falar um pouquinho mais sobre nós, maduros e maduras. Nosso país, conhecido mundialmente como um país jovem, está começando a lançar debates sobre a população madura, finalmente. Para citar alguns dados do IBGE, o Brasil tem 54 milhões de pessoas acima dos 50 anos, a expectativa de vida em 2020 – apesar de ter decrescido em dois anos por causa da pandemia da Covid-19 – é de 74,8 anos e em duas décadas o número de idosos deve superar o de crianças e adolescentes de até 15 anos. No entanto, os debates sobre o futuro do trabalho ainda têm como assuntos predominantes o uso massivo da tecnologia, a inovação e a habilidade em ferramentas digitais, por exemplo, competências equivocadamente atribuídas somente a pessoas jovens.
É preciso que a liderança das organizações atente para o fato de que o futuro já chegou, que a maturidade etária também é diversidade e que a estratégia de talentos deve considerar a relação intergeracional como fator-chave de sucesso. Até porque não serão só os profissionais que irão envelhecer, mas também os consumidores.
E como podemos nos preparar? Uma palavra muito usada hoje é “desconstruir”, uma outra é “desaprender”; eu não gosto de nenhuma delas porque para mim soam depreciativas em relação a tudo o que já construímos ou aprendemos. Prefiro usar “reconstruir” ou “reaprender”. O que não devemos é nos apegar à ideia de que já sabemos o bastante, aí sim estaremos estagnando nossas carreiras.
Então, como poderemos reaprender? Busque conhecer as ferramentas digitais mais utilizadas em seu campo de atuação, invista tempo em expandir a sua rede de relacionamentos (networking), inclusive com pessoas mais jovens, atualize seus conhecimentos constantemente, leia aqueles livros que naturalmente você não leria por achar que “não tem nada a ver com o que eu faço…” e evite pensamentos limitantes que afetem sua autoestima. E aproveite, há um vasto e novo futuro à sua frente!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorEm busca do equilíbrio financeiro
Próximo artigoDiscordo!
Graduado em Administração de Empresas e pós-graduado em Gestão de Pessoas pela FGV, sou Diretor-Líder dos serviços em Diversidade e Inclusão da Deloitte Brasil. Há 25 anos atuo em grandes projetos liderando temas como cultura, liderança, diversidade e inclusão, dentre outros. Sou fundador da “JMS Consultoria em Gente” e voluntário em programas de mentoria para profissionais jovens e maduros.