Criando Asas Através do Teatro

0
681

Norma Soely Guimarães – DRT 0001969/PI

 “Arte não é adorno, palavra não é absoluta, som não é ruído, e as imagens falam, convencem e dominam. A estes três Poderes – Palavra, Som e Imagem – não podemos renunciar, sob pena de renunciarmos à nossa condição humana.” AUGUSTO BOAL

Augusto Boal, dramaturgo carioca, que andou pelo mundo disseminando o método do Teatro do Oprimido, constatou que, em todas as culturas e povos por onde andou, viu mulheres infelizes e oprimidas pelo sistema patriarcal. Por exemplo, na cidade de Godrano, na Itália, o noivo tinha que expor o lençol sujo do sangue da noiva, na janela, no dia seguinte ao casamento, para provar que ela era virgem.

Norma e o Teatro das Oprimidas na Penitenciária Feminina de Teresina
Norma é professora de teatro há 20 anos e através dele vem transformando vidas
No Dia Internacional da Mulher, Norma realizou encenação com o tema “A mulher nos meios de comunicação”, com crítica ao modo desrespeitoso e debochado que a mídia usa ao abordar o tema da violência contra o sexo feminino

Há 20 anos, sou professora de teatro trabalhando com uma maioria de mulheres, cujas vidas se transformaram através do teatro. Muitas dessas mulheres chegaram com um alto grau de timidez e com a autoestima abalada.

Essa experiência ficou mais evidente quando facilitei, junto com a Curinga Bárbara Santos, o Teatro das Oprimidas na Penitenciária Feminina de Teresina. O teatro libertou as mulheres dentro de uma estrutura prisional. O corpo delas continuou preso, mas os projetos de mudança na forma de pensar e de agir quando saíssem da prisão, a descoberta da capacidade de dialogar em vez de resolver os conflitos com violência, a capacidade de sonhar e de realizar seus sonhos foram despertados através do teatro.

O dramaturgo carioca Augusto Boal (ao centro), em aula de teatro

Não basta se descobrir como mulher, mas como uma mulher capaz de se transformar; capaz de transformar o mundo!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTatyane Luncah explica “por que sua empresa não cresce”!
Próximo artigoSaiba como foi o lançamento de “Histórias de Executivos dos RHs Mais Admirados”
Graduada em Letras pela Universidade Federal do Piauí – UFPI, e em Jornalismo, pela Faculdade Santo Agostinho – FSA (DRT 0001969/PI). Criadora do programa feminista de TV e Rádio “Sob Outro Olhar”, veiculados em duas TVs estaduais. Criado no TCC de jornalismo que resultou na Láurea Universitária. Especialista em Docência no Ensino Superior para inclusão do Teatro do Oprimido na Educação/FSA. Aposentada da Caixa Econômica Federal. Atriz e diretora de Teatro do Oprimido (DRT 0000158/PI), com 20 anos de experiência. Assessora de imprensa local Mostra Cinema e Direitos Humanos. Formanda em Biodança.