De bonecas e panelinhas ao salto 15, mulher 360graus!

0
716

Queridas leitoras, começar a escrever esta coluna é uma alegria e um projeto de vida, ela será nosso espaço comum onde respeitamos e somos respeitadas, aqui conversaremos sobre nós humanas, nossas fortalezas e fraquezas, nossas escolhas, nosso mercado de trabalho, nosso corpo e nossa alma. Aqui será sempre um porto seguro, sem julgamentos, com opiniões e pontos de vista que podem convergir ou diverger, mas que sempre nos farão pensar em sermos hoje nossa melhor versão de ontem.
Nascemos e logo nos tornamos “meninas”, ganhamos a primeira boneca, o primeiro jogo de panelinhas e aprendemos a cuidar da casa e dos filhos. Os tempos mudaram e hoje rapidamente ficamos frente a frente com um mundo de infinitas possibilidades. Mas será que estamos realmente abertas para isso? Ou ainda estamos presas às bonecas e panelinhas?
Uma sociedade que vem do machismo, ainda em busca da sua evolução, nos faz refletir como seguir em frente, que comportamentos adotar, que postura é esperada por essa tal sociedade e como queremos ser vistas por ela.
Isso não importa muito, mas sim nossa atitude em relação ao que queremos para nosso futuro. Somos meninas, mulheres, mães, profissionais, executivas e amantes, temos ânsia por um mundo mais inclusivo e igualitário. Abrimos os braços para acolher a todos, abraçamos causas de que nem conhecemos o autor, porém nos identificamos com o impacto delas nesse mundo que sonhamos, acordamos cada dia com um novo sonho sonhado.
Aprendemos desde cedo a lutar pelo nosso espaço e a conviver com as eternas brincadeiras sem graça, mas, de novo, isso importa? Não, nossas atitudes falam por nós e a cada dia conquistamos nosso espaço e vivemos neste mundo que queremos para as futuras gerações.
O mais interessante em tudo isso é que continuamos cuidando das nossas casas, dos nossos filhos e familiares, com a magnitude de um coração gigante do qual todos fazem parte. Conciliar tudo isso só é possível porque somos MULHERES.
Incansáveis, caímos e voltamos a olhar para o futuro com o mesmo brilho nos olhos que olhamos para nossas mães logo após sair do útero materno, sabem por quê? Porque este brilho foi o que vimos quando ela nos olhou pela primeira vez.
Escrever aqui me faz refletir que temos um caminho longo pela frente e que o combustível essencial para essa jornada é a energia contida em cada brilho no olhar… E pensem que este caminho será percorrido com um belo par de salto 15!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorComunicar pra quê?
Próximo artigoDiversidade, Equidade e Inclusão: por que importa?
Tem 48 anos, é mãe do Thiago, da Sophia e do Gustavo. Conta com 29 anos de experiência em Recursos Humanos, formada pela FECAP, MBA pela Business School de São Paulo e pela Suffolk University - Boston. Atuou no Brasil e no exterior. Hoje no grupo Maersk acumulou experiência profissional em empresas como IBM, Goodyear, Nokia, DHL e Veolia. Cozinhar é uma terapia, viajar é um hobby e estar com minha família, filhos e amigos é o melhor lugar.