Discordo!

0
503

Ao analisar a coluna passada, um leitor muito especial comentou que “a comunicação permite a discussão que resulta em aprendizado; que, ao construir essas pontes, a gente permite um fluxo de ideias e conceitos”. Isso motivou nosso tema de hoje.

É bem recente a dificuldade social de abordar a divergência, que aparentemente deve ser evitada a qualquer custo, sob pena de beligerância imediata. (Pense em como você se sentiu ao ler o título deste texto…)

Pois meros dez anos atrás, pessoas com visões diferentes sobre política ou comportamento, por exemplo, conseguiam conviver civilizadamente – famílias e amizades não rompiam laços por isso.

De onde veio essa deterioração, então? Há quem afirme que ela deriva da natureza das mídias sociais. Outros alegam que é decorrência das manifestações de rua de 2013. Há ainda quem teorize que é fruto do individualismo exacerbado, dentre outras hipóteses.

Mas, independentemente da origem do desgaste, cada um de nós compartilha a responsabilidade de buscar harmonia na diversidade. Arrisco sugerir alguns caminhos.

1. Fique atento ao diálogo. Os princípios da Comunicação Não-Violenta podem ajudar: na interação com seu interlocutor, observe objetivamente a situação, descreva o sentimento que ela provoca, expresse suas necessidades e vocalize o que deseja.

2. Controle suas redes sociais. Como diz Elaine Póvoas, minha vizinha neste espaço, a internet mostra o que você quer ver. Um meio é “enganar” os algoritmos e buscar referências diferentes das usuais – você vai fazer um excelente exercício para as sinapses avaliando argumentos dissonantes.

3. Lembre-se de que, como adverte Dylan Marron em sua participação no TED, empatia não é aprovação. É possível reconhecer a humanidade de uma pessoa e sentir empatia por ela, sem necessariamente endossar tudo o que ela faz ou em que acredita.

Essas são algumas propostas para resgatarmos a convivência harmoniosa em uma sociedade acolhedora, promovendo um valor tão raro quanto precioso: a paz. Você concorda?

PARA SABER MAIS

Comunicação Não-Violenta

Comunicação Não-Violenta (CNV): o que é, como funciona e como aplicar o conceito

Mídias sociais e algoritmos
https://www.netflix.com/br/title/81254224 (filme)

Empatia x aprovação
https://www.ted.com/talks/dylan_marron_empathy_is_not_endorsement?language=pt (palestra)

COMPARTILHAR
Artigo anteriorA Revolução dos 50+
Próximo artigoPor que os processos são importantes?
Tem formação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem e experiência de mais de 30 anos em Educação, cerca de 20 deles como executivo na área. Atua também na liderança de associações profissionais. É autor, palestrante, consultor, conselheiro de administração e professor. Vê a Educação como o caminho mais democrático e eficaz para que pessoas e sociedades atinjam seu melhor potencial.