Em que caixinhas você cabe?

0
436

Conversando com um leitor muito perspicaz, ele comentou que meus textos “são adequados para a geração Z, pois são curtos e objetivos”. O que poderia ter sido somente uma observação passageira acabou motivando um longo debate sobre rótulos e identidade.

O cerne da questão que abordamos foi a facilidade com que as estruturas sociais classificam indivíduos a partir de generalizações, estereótipos, perfis… enfim, a prática de se agrupar pessoas em “caixinhas” – e as consequências que isso pode acarretar.

Obviamente não desprezo o valor do conhecimento acumulado sobre seres humanos e sociedades. Referências assim podem ser úteis para a elaboração de políticas públicas ou a criação de produtos, por exemplo. Mas também podem ensejar juízos precipitados.

Há muito mais sobre cada pessoa do que rótulos conseguem abranger. E, ao nos sujeitarmos a predicados que nos são impostos, muitas vezes deixamos de aprender como acessar toda a riqueza de nossas individualidades e potencialidades, e até a lidar com nós mesmos e nos aceitar como únicos.

É curioso ver a tensão entre forças divergentes no caminho da construção da identidade. Por um lado, admiramos indivíduos que ousam não acompanhar o movimento da manada; por outro, não é infrequente fazermos esforços hercúleos para nos adaptar a determinado grupo social.

Ilustro a possibilidade de equilíbrio entre essas dimensões com uma publicação desta própria casa: o livro “Revolução 50+”. É um conjunto formado por mais de duas dezenas de autores que fazem parte de uma certa categoria (a idade acima de 50 anos), mas são diferentes e admiráveis em suas características individuais.

Então meu convite é que você dedique tempo e coragem a olhar além dos rótulos que lhe são atribuídos e, assim, consiga responder sinceramente à pergunta do título. Isso lhe permitirá saber melhor quem você é, acolher as várias facetas da sua individualidade e reconhecer quando vale a pena fazer parte de coletividades que respeitem sua essência. Experimente!

PARA SABER MAIS

Revolução 50+
https://editoraleader.com.br/livro-revolucao-50

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTomar crédito é bom ou ruim?
Próximo artigoÉ preciso enegrecer a tecnologia!
Tem formação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem e experiência de mais de 30 anos em Educação, cerca de 20 deles como executivo na área. Atua também na liderança de associações profissionais. É autor, palestrante, consultor, conselheiro de administração e professor. Vê a Educação como o caminho mais democrático e eficaz para que pessoas e sociedades atinjam seu melhor potencial.