Leader lança “O Poder terapêutico do perdão”, de Adriana Santiago

0
2378

Uma realização pessoal. Assim Adriana Santiago, psicoterapeuta com 25 anos de prática clínica e palestrante internacional, classifica sua obra “O Poder terapêutico do perdão – Teoria, prática e aplicabilidade do perdão com base científica na Psicologia Positiva”, pois por experiência própria sabia que perdoar é bom para o agente da decisão. Ao encontrar a Psicologia Positiva, se reconheceu em sua prática. Como psicoterapeuta, decidiu orientar seus pacientes para exercitarem as propostas dessa nova prática.

É a experiência de vida e de trabalho que Adriana Santiago coloca em seu livro, através das descrições cotidianas de seu consultório de Psicologia Clínica com as quais constata a realidade de vidas transformadas pelo perdão. A autora conseguiu, com uma narrativa agradável e cativante, expor a convicção da eficácia do perdão para uma vida mais plena.

O prólogo é de Andréa Perez, idealizadora e coordenadora de projetos de publicações literárias em Psicologia Positiva, que foi responsável pela avaliação crítica. Ela ressalta as diversas abordagens feitas por Adriana sobre a temática do perdão, “sendo mais uma obra a ampliar nossas fronteiras no campo da felicidade humana, de forma séria, com qualidade”.

O psicólogo e professor Ricardo de Sá assina o prefácio, em que afirma que Adriana provoca o leitor a pensar sobre esse tema que se encontra seja na leitura da Ciência ou da religião, “conduzindo-nos desde os filósofos gregos até os dias atuais”. Ele também chama atenção para o fato de que Adriana usa casos práticos que são uma provocação para quem não acredita no poder terapêutico do perdão.

De maneira bastante didática, a autora parte da definição da palavra “perdão”, seu conceito e sua evolução ao longo da História, com fatos até mesmo curiosos. Nesta parte, dá um panorama do perdão sob a visão das religiões, uma vez que é e sempre foi o tema central da maioria delas. A seguir, a visão da Filosofia quanto ao perdão, através de seus nomes mais destacados, como Immanuel Kant e Paul Ricouer.

O perdão para as Ciências é explicado através da apresentação do resultado de estudos de alguns pesquisadores, incluindo esquemas práticos com os passos para o perdão.

No capítulo sobre a Psicologia Positiva, aponta o novo olhar e a concepção que esta promove para o tema, e o impacto desse conceito na Psicoterapia e na cura da depressão.

A leitura é cada vez mais atraente, com a Psicologia Positiva como proposta terapêutica, tendo o perdão como pilar do processo, porque considera fundamental que a pessoa se desamarre da dor. Destaquem-se ainda, os capítulos em que fala do perdão nos relacionamentos amorosos, abordando a questão da reconciliação, mostrando que nem sempre há perdão e reconciliação, e do perdão para a sexualidade.

Histórias de perdão é o capítulo em que trata de vítimas que se tornaram conhecidas por haverem perdoado seu agressor e transformado a dor.

Ao final, conta sua própria e comovente história de superação através do perdão e propõe um exercício para que se aprenda a perdoar.

Sobre a autora
Adriana é diretora do Núcleo de Aplicação e Pesquisa da Psicologia Positiva (Nuapp) no Rio de Janeiro. Supervisora clínica, especialista em Neurociências pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Psicologia Positiva (CPAF), Terapia Cognitivo-Comportamental e Transtornos Alimentares (UFRJ). Professora especialista em Terapia de Esquemas e Psicologia Positiva. Colunista e diretora da “Revista Papo Cabeça”, publicada no Rio de Janeiro. Coach empresarial com vasta experiência em potencialização organizacional. Coautora de diversos capítulos de livros que se referem ao bem-estar subjetivo.