Mudar uma peça do jogo, muda o jogo

0
434

Ao longo da vida quantas foram as vezes em que a rota foi alterada sem prévio aviso?
É isso mesmo, achamo-nos tão senhores do destino que, às vezes, temos grande dificuldade de aceitar e entender as surpresas que acontecem. A vida tem uma péssima mania de mudar nosso plano e não nos pedir permissão.
De repente é um relacionamento que termina, o falecimento de alguém amado, a demissão do trabalho, um resultado crítico de um exame de saúde e tantas outras circunstâncias desafiadoras…
Passamos uma vida inteira iniciando e encerrando ciclos.
Somos exigidos a ter inteligência emocional, ter maior produtividade em tudo que fazemos e ainda manter o bom humor. Quem sabe um dia as escolas terão a oportunidade de considerar em seu currículo matérias relacionadas ao autoconhecimento, pois assim certamente o mundo terá adultos mais saudáveis.
Precisamos ter clareza de que as mudanças vão acontecer de forma rotineira e frequente, por isso se preparar emocionalmente é fundamental.
Quando digo que mudar uma peça do jogo, muda o jogo, me refiro às situações que ocorrem ao tomarmos ou não uma ação. Todos nós sabemos que não fazer nada, esconder-se ou ficar em silêncio, tudo isso já diz muito sobre quem somos e o que pretendemos.
Portanto, se hoje você está vivendo algo que precisa ter uma nova direção, faça ativamente algum movimento, por menor que seja. Chega um momento em que sentimos um desencaixe, um desconforto, convertemo-nos em uma versão que não faz mais sentido e, nesta hora, mudemos uma pedra do jogo e observemos as consequências.
Quantas vezes nos pegamos vivendo momentos quase que insuportáveis, onde o choro, a raiva e a frustração estão como protagonistas? Não se esconda, não vale a pena!
Encare, sinta tudo que tiver de sentir, chore até não saírem mais lágrimas, levante a cabeça e parta para o enfrentamento. Com respeito e educação chegamos longe.
Para que tenhamos momentos ímpares, singulares, marcantes e infinitos, a vida precisa estar cheia de vontade, desejo e prazer. Se estiver diferente disso tudo, você já sabe que precisa provocar a mudança.
Faça a travessia para que não fique às margens de você mesmo!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorComo fomentar a inovação no ambiente de trabalho?
Próximo artigoO que esperar da nova geração de drones? Parte 1
Administradora de Empresas, MBA de Tecnologia da Informação pela FGV e formação de Personal & Professional Coaching pela SBC. Mais de 20 anos de trabalho em empresas de grande porte e com experiências diversificadas, como gerenciamento de operações, desenvolvimento de negócios, comunicação, vendas, marketing e alianças. Executiva de Marketing. Escritora no livro Mulheres do Marketing, da Editora Leader, e colunista no Jornal Leader.