O trem vai bater. O que você faz?

0
185

Sempre achei muito estranho reuniões intermináveis sobre assuntos que, na verdade, não eram o ponto principal da questão. Essa é uma história simples e engraçada para exemplificar o que quero dizer.

Eu tinha uns 13 anos e o professor de Física deu na sala para a turma um problema para resolver: “Um trem sai de São Paulo em direção ao Rio de Janeiro e outro do Rio na direção contrária, na mesma linha, no mesmo horário, a uma velocidade X. Em que momento eles vão se chocar?”
Olhei em volta vendo os colegas sem reação. Eu, espantado, não resisti e falei: “Professor, não interessa que horas eles vão bater. Tá cheio de pessoas nos trens e elas vão morrer. Tem é que avisar o maquinista!”
Do ponto de vista do professor, era importante saber o ponto de impacto, mas para mim era um absurdo perder tempo fazendo contas se o que de fato importava ali é que um monte de gente poderia morrer.
A #comunicação – neste caso com o maquinista – era mais essencial do que os números e, a meu ver, o foco da discussão estava errado.
A minha reação rendeu muitas risadas entre os colegas – menos do professor, claro. (Mais uma das inúmeras idas à sala da diretoria.)
Mas o que quero dizer é que somos nós que devemos escolher as nossas lutas, o que merece a nossa energia e atenção. E isso vale para tudo na vida: trabalho, relacionamentos, carreira.
Sem um #foco bem definido, não adianta ficar horas estudando, procurando #ideias, rascunhando palavras. Isso só gera desgaste. É mais fácil falar do que fazer, eu sei – mas vale a pena.
Quando se tem um objetivo claro, as coisas fluem melhor e você converte a energia em resultados. Os passageiros do trem agradecem.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorEntão não termina nunca?
Próximo artigoÉ importante ter Reserva de Emergência?
Liderou grandes agências de publicidade, como JWThompson e Dentsu. Coordenou a comunicação do HSBC na América Latina por dez anos e tem grandes cases para Coca-Cola, Ford, J&J, Toyota e outros. Em 2010 foi escolhido o Profissional de Criação do Ano pelo Prêmio Caboré. Jurado em Cannes quatro vezes e presidente do júri em 2017. É presidente da ABAP – Associação Brasileira das Agências de Publicidade.