O valor do conhecimento

0
541

Já parou para pensar que o que você sabe poderia lhe render um valor mensal?

Imagine todo investimento já feito em sua vida pessoal e profissional, por exemplo, faculdade, pós-graduação, cursos extracurriculares, livros lidos, documentários assistidos, viagens, networking, experiências vividas e assim por diante.

Certamente já foi gasto um bom dinheiro e o mais precioso de tudo, o tempo. Será que você já recebeu o retorno de todo este investimento feito?

Atualmente tenho algumas fontes de renda derivadas do meu conhecimento, quer seja com o meu trabalho na empresa em que estou como executiva de Marketing e Alianças, também com coaching, mentoração, e ainda como palestrante e conselheira.

Só existe um preço porque as pessoas enxergam um valor neste trabalho. Os ganhos são muitos para mim, como colocar em prática a teoria aprendida, o prazer de ajudar alguém a ter uma vida melhor, sentimento de utilidade, o financeiro propriamente dito, entre outros.

Cacilda Becker tem uma frase maravilhosa da qual compartilho: “Não me peça para dar de graça a única coisa que tenho para vender”.

Para mim não se trata de uma verdade absoluta, pois neste momento da minha vida tenho a possibilidade de determinar os trabalhos que atenderei sem cobrar.  O voluntariado está presente na minha vida desde meus 20 anos e certamente ficará enquanto estiver viva. É claro que há uma triagem, por exemplo: a história que tenho com esta pessoa, o momento de vida e a situação financeira dela, etc.

É inimaginável a capacidade do ser humano de conectar informações, fazer novas sinapses e com esta possibilidade promover ao outro uma orientação, um conselho, uma dica que pode transformar toda uma situação.

Boas perguntas normalmente costumam gerar novas reflexões e quando há qualidade de presença, escuta ativa e do fundo do seu coração quer ajudar a outra pessoa a ser sua melhor versão, o que acaba acontecendo, além de os dois ganharem, é uma infinita gratidão entre as partes e esta energia boa alimenta a alma.

Convido a todos a conversar mais, a pedir opinião, a ser de verdade. Suas fraquezas e inseguranças não denotam o quanto você é fraco e sim o quanto se é humano.

Estude, amplie seus conhecimentos, esteja com pessoas que agregam valor à sua vida. Pessoas interessadas em mais da vida costumam ser muito interessantes.

Finalizo este artigo desejando que todos tenham a plena noção do valor do seu conhecimento adquirido até o momento, o quanto ainda pode crescer e que ganhe dinheiro com isso. Acredite no poder de transformar o potencial em performance. Tem muita gente por aí precisando do que você já aprendeu!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAgradar a todos, é possível?
Próximo artigoO líder e o sucesso da equipe
Administradora de Empresas, MBA de Tecnologia da Informação pela FGV e formação de Personal & Professional Coaching pela SBC. Mais de 20 anos de trabalho em empresas de grande porte e com experiências diversificadas, como gerenciamento de operações, desenvolvimento de negócios, comunicação, vendas, marketing e alianças. Executiva de Marketing. Escritora no livro Mulheres do Marketing, da Editora Leader, e colunista no Jornal Leader.