Olhar vitrines ou participar?

0
479
Alice: "Não nos basta olhar, queremos participar."

Para nós, mulheres, olhar vitrines de certas lojas pode ser uma grande diversão, ver todas aquelas belas coisas traz um tremendo prazer, porém não nos basta nem mesmo quando as podemos adquirir.

Toda semente contém a planta completa: ela é, se sabe e se realiza. Posta em terra adequada, alimenta-se e cresce sadia. Se necessário for, é colocada provisoriamente uma estaca de sustento e espera-se que ela desabroche, retirando-a então.

Todo filhote, inclusive aquele do humano, assim como toda semente contém o projeto a ser desenvolvido, o qual ao ser realizado traz completude, orgulho, alegria, paz, felicidade. Também nós somos árvores frondosas, imensas, que, mantendo as raízes no húmus, bailam alegremente em direção ao céu.

Já aos dois anos demonstramos nossa especificidade. Surgem nossas folhinhas, tímidas, tenras, acontecem nossos primeiros movimentos, ainda inseguros, porém desejamos andar.

Retornando à nossa vitrine, respiro fundo diante daquela magnífica visão e sinto o desejo de jogar fora aquela estaca que me mantém segura, porém limitada. Vem o desejo irrefreável de desabrochar, enquanto um flash me diz: também você é capaz de realizar!

A beleza daquela vitrine abre um discurso que me impulsiona na direção de um estilo de vida voltado a uma personalidade criativa, construtora, conexa à ideia de compromisso e de responsabilidade pelo meu próprio desenvolvimento moral e existencial.

Certamente, todo este processo implica uma forte carga de ansiedade, dúvidas, medos, porém, apesar de tudo, muitos dão impulso à evolução e isto é magnífico.

Não nos basta olhar, queremos participar. O belo é participar!

*Alice Schuch, escritora, palestrante, doutora e pesquisadora do universo feminino

COMPARTILHAR
Artigo anteriorChina constrói a maior biblioteca do mundo, com capacidade para 1,2 milhão de livros!
Próximo artigoLançamento de “RH na Veia” é hoje no Bourbon, em São Paulo
É brasileira, doutora em Ciências da Educação - Universidad de Desarrollo Sustentable - UDS. Mestre em Ciencias del Educación pela Universidade Del Mar (Chile). Especialista em Psicologia com Endereço Ontopsicológico pela Universidade Estatal de São Petersburgo (Rússia). Especialista em Políticas Públicas em Gênero e Raça pela Universidade Federal de Santa Maria – UFSM (Rio Grande do Sul, Brasil). Pós-graduada em Psicopedagogia pela Universidade Castelo Branco (Rio de Janeiro, Brasil). Possui MBA Business Intuition pela Antônio Meneghetti Faculdade (Recanto Maestro, RS, Brasil) e MBA La Business Intuition Del Made in Italy pela FOIL Itália (Milão, Itália). Atuou na Antônio Meneghetti Faculdade como responsável pelo setor Responsabilidade Social, Coordenação Pedagógica e Ouvidoria. Autora de "Mulher: Aonde vais? Convém?" e “Contos de Alice”, fatos da vida real vivenciados por Maria Alice Schuch que ilustram sua pesquisa exposta em diversos eventos e congressos no decorrer dos últimos anos: Seminário FOIL São Paulo (Brasil, 2002); Faculdade de Psicologia da Universidade Estatal de São Petersburgo (Rússia, 2003); Congresso Internacional Ontopsicologia e Memética em Milão (Itália, 2003), que se encontra publicado na obra homônima, de Antônio Meneghetti. A pesquisa também abrangeu a participação da autora no International Congress Business Intuition, realizado em Riga (Letônia, 2004); no XXI Encontro Nacional dos Women’s Clubs em Canela (Brasil, 2006); no evento de premiação da Fondazione di Ricerca Scientifica ed Umanistica Antônio Meneghetti em Genebra ( Suíça, 2011). No encontro “Brasil do Milênio” realizado na sede do Conselho Econômico, Social e Ambiental da República Francesa em Paris (2012), a autora participou do grupo de pesquisa da Antônio Meneghetti Faculdade. E, ainda, no 41º Encontro da Sociedade Brasileira de Psicologia em Belém (Pará, 2012), ocasião na qual foi apresentado o Projeto Mulher do Milênio, grupo de estudos da Antônio Meneghetti Faculdade referente ao 3º Objetivo do Milênio da ONU: “Igualdade entre os sexos e autonomia das mulheres”.