Sob Outro Olhar, a Ousadia Consolidada

0
603

Em 11 de agosto, o programa de TV Sob Outro Olhar completou três anos de muita ousadia e luta ao mostrar, na mídia, o valor da mulher piauiense. Mulheres de todas as classes, cores, raças, etnias e profissões expressam seu pensamento e forma de ver o mundo. Leide Sousa e eu mostramos a todas as pessoas que Direitos Humanos fazem parte da nossa história e que são um trabalho de construção de valores, respeito e valorização da dignidade humana.

O programa criado, patrocinado e registrado por nós duas (Leide Sousa e Norma Soely), se consolida na TV aberta piauiense. Com meia hora de duração, é exibido semanalmente, em duas tvs locais (TV Antares, afiliada da TV Brasil, e TV Assembleia). Tem dois blocos, com seis quadros concebidos de acordo com a diversificação cultural. Ele foi criado em meu Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Jornalismo. Criei e fiz o projeto piloto cujo resultado foi a Láurea Universitária.  Sempre me incomodei com a linguagem patriarcal de grande parte da mídia e com os programas femininos da TV aberta que, em sua maioria, tratavam apenas de culinária, moda, e, no máximo, comportamento.

A defesa do feminismo como um movimento de libertação e de paz para toda a sociedade é o foco do programa, que tem ampliado a pauta feminina para outros veículos de comunicação. Após o programa, grandes redes de televisão falam abertamente, durante o ano, sobre a mulher, em uma linguagem que não nos deprecia ou subestime nossa capacidade. Nestes três anos conseguimos mudar a pauta da mídia piauiense.

Além da mulher, a defesa do povo negro piauiense, das pessoas LGBTs, e outros grupos, são temas tratados pelo programa. Quebramos preconceitos, principalmente em relação ao movimento feminista.

Os Quadros do Programa Sob Outro Olhar são titulados e concebidos da seguinte forma:

EU VEJO ASSIM: em forma de enquetes, o quadro revela o pensamento das pessoas nas ruas, o senso comum e a vivência delas em relação ao tema sugerido. Não se pretende atribuir a forma de ver o mundo das pessoas a uma forma equivocada, e, sim, respeitar o aprendizado da vida de cada um.

TEATRO INVISÍVEL: o quadro Teatro Invisível homenageia o pai do Teatro do Oprimido, Augusto Boal. Ele mostra uma situação do cotidiano de acordo com o tema em forma de documentário, vídeo ou cena teatral.

OLHO NO OLHO: o quadro Olho no Olho é o debate ou conversa que acontece ao vivo entre a apresentadora e as pessoas convidadas. É o principal quadro. Geralmente entrevistamos mulheres ou homens engajados na luta pelos direitos humanos.

OLHO MÁGICO:

o quadro Olho Mágico, como sugere o termo, apresenta curiosidades acerca do tema.

O OLHAR QUE QUASE NINGUÉM VÊ:

o quadro O Olhar que Quase Ninguém Vê mostra uma situação ou pessoa pouco vista ou reconhecida pela sociedade.

MEU OLHAR CULTURAL:

o quadro Meu Olhar Cultural revela o olhar e o fazer musical e artístico piauiense.

A visão do programa é feminina e feminista, mas não exclui o homem. O programa valoriza homens que defendem a vida, a diversidade, o meio ambiente e as mulheres. Quando se procura um especialista de qualquer área, geralmente as pessoas indicam homens. Essa agenda fixa masculina exclui milhares de mulheres especialistas competentíssimas nas diversas áreas do conhecimento.

O Sob Outro Olhar se estendeu para a Rádio Antares tendo como locutoras Leide Sousa e Norma Soely. Na Rádio ele é ao vivo, aos domingos, de 10h ao meio-dia. Está sendo veiculado na Rádio Antares 800 há três anos e ao Vivo pelo canal Youtube.

Difusão no Brasil: o programa está buscando financiamento, pois ele está na linha dos conteúdos para TVs públicas. O Sob Outro Olhar tem a face da TV Pública, por isso, estamos em busca de apoio financeiro para deixá-lo ainda melhor e alcançarmos um público maior. Precisamos de parceiros que acreditem no empoderamento da mulher e na importância das temáticas ligadas aos direitos humanos. O Sob Outro Olhar é a voz de todos e todas que buscam seus direitos, que procuram se fortalecer.

Diretora: Leide Sousa. Ex-tesoureira da Associação Brasileira de Documentaristas – ABD/PI, ex-secretária e produtora do Núcleo de Produção Digital Fotógrafo José Medeiros, produziu cursos e oficinas de audiovisual realizados pelo Centro Audiovisual Norte/Nordeste CANNE/FUNDAJ.

Atualmente, trabalha com produção na área do audiovisual, artes cênicas e musical. Através da Ipê Produções Audiovisuais, produz Mostras de Cinema, espetáculos de teatro, documentários, programas de Rádio e TV. Formação em Rádio e TV pela Comradio do Brasil.

Apresentadora e Roteirista: Norma Soely Guimarães.

Graduação: Letras Português e Jornalismo, especialização em Docência no Ensino Superior. Atriz e Professora de Teatro do Oprimido. Criadora do programa Sob Outro Olhar no Curso de jornalismo pela Faculdade Santo Agostinho – FSA.

Realização: O projeto é uma realização da Ipê Produções Audiovisuais.

Sobre Ipê produções Audiovisuais: Equipe de Produção do Documentário Sarah – Menina de Ouro, Documentário Ex-Memória – Therezina Sem Memória, Mostra Cinema e Direitos Humanos (9ª, 10ª E 11ª), produção de espetáculos de teatro e música.

Canais do Sob Outro Olhar:

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC_7CmR25v9AULufNLNbdrCw

Facebook: https://www.facebook.com/soboutrolhar/

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDica da Tatyane Luncah: contrate pessoas melhores que você!
Próximo artigoLançamento de “Psicologia Positiva Aplicada à Psicologia Clínica” no Rio foi um sucesso!
Graduada em Letras pela Universidade Federal do Piauí – UFPI, e em Jornalismo, pela Faculdade Santo Agostinho – FSA (DRT 0001969/PI). Criadora do programa feminista de TV e Rádio “Sob Outro Olhar”, veiculados em duas TVs estaduais. Criado no TCC de jornalismo que resultou na Láurea Universitária. Especialista em Docência no Ensino Superior para inclusão do Teatro do Oprimido na Educação/FSA. Aposentada da Caixa Econômica Federal. Atriz e diretora de Teatro do Oprimido (DRT 0000158/PI), com 20 anos de experiência. Assessora de imprensa local Mostra Cinema e Direitos Humanos. Formanda em Biodança.