Tantas palavras…

0
346

Há mais de 100 anos, Freud já dizia que “originalmente as palavras são mágicas, e até os dias atuais conservaram muito do seu antigo poder mágico. Por meio de palavras uma pessoa pode tornar outra jubilosamente feliz ou levá-la ao desespero… Palavras suscitam afetos e são, de modo geral, o meio de mútua influência entre os homens”.

No entanto, a simples observação cotidiana desnuda o frequente pouco cuidado com a escolha das palavras pela imensa maioria das pessoas – nas interações face a face ou, pior ainda, nas mídias (vá lá) sociais.

Volta e meia me pego refletindo sobre as razões para isso. Existe o óbvio deficit educacional que nos assola. Mas também percebo que há vezes em que é só descuido. Ou preguiça de pensar. Ou desejo de participar de um grupo que se comunica daquela maneira. Ou uma forma de manipulação. Ou só crueldade, mesmo.

A sensação que me vem é de que atualmente a decisão sobre a roupa que vamos vestir, ou sobre a selfie que vamos publicar, merece muito mais atenção e esmero do que a seleção das palavras com que vamos nos comunicar.

Só que as consequências disso podem ser bastante deletérias. Não nos faltam amostras: a polarização que vivemos é um flagrante exemplo; assim como diversos abusos que se perpetuam por meio da linguagem em relações familiares, conjugais, de trabalho, de amizade e tantas outras.

A linguagem é uma das primeiras habilidades que adquirimos, ainda na infância, por isso pode nos parecer tão fisiológica quanto dormir. Mas a realidade é que ela evolui, inclusive à medida que ampliamos nosso vocabulário, permitindo escolhas mais lúcidas.

Então proponho que a partir de amanhã, ao escolher o que vai vestir, você também faça uma opção consciente sobre o que vai dizer. Que tal recorrer a vocábulos acolhedores, conciliadores e gentis? Que tal buscar expressões que incluam e aproximem as pessoas? Que tal usar as palavras como instrumentos para promover uma vida mais suave? Esse é um daqueles casos em que a decisão, definitivamente, é sua!


PARA SABER MAIS

Freud: Conferências Introdutórias à Psicanálise
https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=13438

Comunicação humanizada
https://www.meioemensagem.com.br/home/opiniao/2020/12/09/porque-precisamos-de-uma-comunicacao-humanizada.html

COMPARTILHAR
Artigo anteriorOs 100 anos de Paulo Freire e a educação inclusiva
Próximo artigoA Irrelevância e o Sucesso
Tem formação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem e experiência de mais de 30 anos em Educação, cerca de 20 deles como executivo na área. Atua também na liderança de associações profissionais. É autor, palestrante, consultor, conselheiro de administração e professor. Vê a Educação como o caminho mais democrático e eficaz para que pessoas e sociedades atinjam seu melhor potencial.