Empreendendo e a Empresa Consciente?

0
168

Em recente estudo, a XP Investimentos detectou que cerca de 80% dos consumidores das Gerações X (nascidos entre 1965 e 1979), Y (nascidos entre 1980 e 1995) e Z (a partir de 1996) levam em consideração a preocupação com o meio ambiente nas escolhas de produtos e marcas. Ou seja, tanto na escolha dos seus produtos quanto nos investimentos, a grande maioria da população considera fatores ESG como fundamentais.
Com o advento e as transformações provocadas pelo período pandêmico, observa-se o levante de um momento histórico de debates críticos sobre o nosso estilo de vida, criando uma mudança sistêmica no nosso modo de agir, consumir e fazer negócios. Essa mudança crescente e revolucionaria fica evidente no mundo corporativo com a adoção de práticas ESG cada vez mais forte nas empresas, seja através da integração das 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) em análises de risco, performance e investimentos; como pela adoção de uma agenda global de desenvolvimento sustentável.
Dentre os fatores relevantes que possibilitam traduzir os riscos de ESG em oportunidades estão:
• Mercado Global de ativos ESG estimado em valor superior a US$ 30 trilhões de acordo com o levantamento da Bloomberg;
• Estimativas da empresa apontam para um montante global de US$ 53 trilhões de investimentos até 2025;
• Captação de R$ 2,5 bilhões em 2020 por fundos ESG no Brasil, sendo que mais da metade dos fundos foram criados nos últimos 12 meses;
• Emissões de títulos temáticos ligados à sustentabilidade no mercado brasileiro de US$ 5,3 bilhões, superando em 26% o valor de 2019;
• ESG se tornou um pré-requisito para receber investimentos do mercado internacional;
• Benefícios no longo prazo, como aumento da lucratividade, estão cada vez mais claros e comprovados;
• Necessidade de se criar um ecossistema mais sustentável, pelo fato de o Brasil ser detentor de mais da metade da maior floresta do mundo (a Amazônica) e estar sob os olhos dos investidores do mundo todo.

O movimento do Capitalismo Consciente criou a ideia de que as empresas não se limitam apenas a gerar lucro, renda e empregos, mas também a estimularem valores de bem-estar social e gerar um impacto positivo para a sociedade. De acordo com o Harvard Business Review, uma companhia que pratica o “Capitalismo Consciente” tem uma performance dez vezes melhor que as que não se adaptaram a essa nova mentalidade sustentável. Assim, uma empresa consciente é aquela movida por quatro pilares: ter um propósito maior, uma liderança consciente, uma cultura consciente e criar um ambiente de trabalho que valorize todos os seus stakeholders.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSorte do meu sorriso ter você como motivo
Próximo artigoO lado sombrio das redes sociais
Administrador de Empresas com MBA pela Universidade de Pittsburgh e formação em Finanças. Mais de 25 anos de trabalho em empresas multinacionais de grande com vasta experiência executiva em Finanças, Logística e Comércio Exterior. Consultor Empresarial, coautor do livro Histórias de Sucesso 2, editora Global Partners. Natural de São Paulo, amante de música, viajar e trocar experiências.