Um mergulho nas despesas!

0
291

Você sabia que aquilo que conseguimos acumular ao logo da vida não é proporcional ao que ganhamos e, sim, ao que gastamos?
Certamente conhecemos pessoas bem remuneradas que não sabem guardar parte de seus ganhos. E no outro extremo sabemos de outras que, mesmo auferindo rendas não tão relevantes, conseguem poupar ao longo da vida. É fato que a grande maioria sabe o quanto ganha, mas geralmente não sabe o quanto gasta. E pior, não tem a noção de onde gasta.
Como você se encaixa nesse contexto? Se nunca pensou no assunto, a hora é agora!
Minha sugestão é começar fazendo um levantamento preciso sobre todo o dinheiro que entra e sai de sua conta. Esse mapeamento exigirá tempo e disciplina diários, até se tornar uma rotina. Isso pode ser feito em uma planilha Excel ou em algum aplicativo. Registre até as menores despesas.
O lado dos ganhos/receitas é mais simples de ser computado, pois geralmente são menos frequentes e em datas conhecidas ao longo do mês.
Com um mês completo de registros, você deve classificar as despesas entre fixas e variáveis. As fixas são aquelas que você tem todo mês e independem do seu nível de utilização (ex.: aluguel, academia, escola, plano de saúde, financiamento, etc.). Lembre-se dos impostos e taxas (IPTU, IPVA, licenciamento) pagos anualmente, em parcelas ou à vista. As despesas variáveis são as que oscilam de acordo com a frequência e nível de consumo, como alimentação, água, luz, gás, lazer, etc.
No segundo mês de apuração, você será capaz de analisar as principais oscilações do período. E vai aqui um desafio: julgue racionalmente os gastos que são essenciais na sua vida e aqueles que consegue reduzir ou eliminar.
Essa prática possibilitará a gestão mais efetiva sobre as despesas nos próximos meses. Otimizar o dinheiro vai ajudar a equilibrar suas finanças e, consequentemente, satisfazer suas necessidades no presente e no futuro.
E como tempo é dinheiro, comece agora mesmo a colocar suas finanças pessoais em ordem!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorO Propósito não morre de velho
Próximo artigoMarço e seu simbolismo
É executiva em Finanças com 35 anos de experiência na liderança de áreas de Crédito e Riscos de Atacado e Varejo. Atuou em grandes Bancos como Santander, BankBoston e Votorantim. Cursei Administração de Empresas, com MBA em Finanças pelo INSPER. Também é formada em Conselho de Administração pelo IBGC e Investidora Anjo e membro de Conselho Consultivo em startups. Brasileira, 50+, casada, dois filhos.